CONCURSO CULTURAL

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL – “O NOME DO TIME” – 2015

  • 1.                                 OBJETO E PRAZO:
  • 1.1.                           O Concurso Cultural “O Nome do Time” será promovido pela Agência Transmídia (PROZE Consultoria Criativa), inscrita no CNPJ sob o nº 22902083000147. e é voluntário e gratuito, de livre acesso às pessoas interessadas em participar e não está vinculado a nenhum tipo de aquisição de produtos ou serviços, nem qualquer modalidade de sorte ou álea, de acordo com o artigo 3º, inciso II, da Lei n.º 5.768/71, e com o artigo 30 do Decreto­Lei n.º 70.951/72.
  • 1.2.             O Concurso será realizado em todo o Brasil, no período compreendido entre as 08h00min do dia 27 de agosto de 2015 e as 08h00min do dia 14 de dezembro de 2015, e consistirá na premiação do melhor sugestão para o nome do grupo de heróis apresentados no Audiodrama “Khaoz Crescente” da Agência Transmídia contido nesse tópico conforme as regras abaixo.

 

  • 2.                                 DAS CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO:
  • 2.1.                   A presente promoção é aberta ao público em geral, podendo participar as pessoas Físicas, residentes em todo o território nacional, desde que maiores e capazes, nos termos da legislação civil em vigor, respeitados os termos e condições estabelecidas neste regulamento.
  • 2.2.                           É vedada a participação de funcionários, bem como de seus familiares, da Agência Transmídia, de empresas relacionadas, ou quaisquer pessoas diretamente envolvidas com esta promoção.
  • 2.3.                           A participação no presente Concurso é voluntária, gratuita e implica na aceitação total e irrestrita dos termos e condições do presente Regulamento.
  • 2.4.                           Ler e aceitar este Regulamento, por tal ato submetendo-se de forma irretratável e irrevogável a todos os respectivos termos e condições.

 

  • 3.                                 COMO PARTICIPAR:
  • 3.1.                           Entre os dias 27/08/2015 à 14/12/2015, os interessados em participar do presente concurso deverão enviar nomes para o grupo de heróis do Audiodrama “Khaoz Crescente” disponível no site da organizadora do presente concurso. As sugestões de nome deverão ser feitas exclusivamente na seção de comentários da publicação, e deverão constar do nome completo e do e-mail do candidato.
  • 3.2.                           Qualquer cadastro feito fora do período disposto no item 3.1, e fora do espaço acima descrito, estará desclassificado e não participará do presente Concurso.
  • 3.3.                           A Agência Transmídia reserva­-se o direito de desclassificar e excluir os participantes cuja conduta demonstre estar manipulando dolosamente a operação do Concurso, bem como os participantes que tentarem fraudar ou burlar as regras estabelecidas neste Regulamento.
  • 3.4.                           Os participantes poderão participar com mais de uma inscrição, porém, cada uma deverá ser feita em registro separado.
  • 3.5.                           Na hipótese de recebimento, pela organizadora, de dois ou nomes iguais, apenas será considerado, para os efeitos de participação do Concurso, o que primeiro for recebido, sendo os demais desconsiderados para efeitos de premiação.
  • 3.6.                           Não será permitida em qualquer hipótese, sendo imediatamente desclassificada, a submissão de nomes que contiver: (i) uso de quaisquer expressões ou sinais contrárias à moral e aos bons costumes; (ii) termos que ofendam a honra ou imagem de pessoas, produtos, empresas ou natureza, meio ambiente, espaços físicos e afins; (iii) sinais ou palavras que ofendam a liberdade de consciência, religião, sexo, ideia ou sentimentos das pessoas ou associações (iv) incentivo a maus costumes, violência ou drogas; (v) apologia a símbolos desportivos reconhecidos; (vi) apontamento preconceituoso, constrangedor, pornográfico ou semelhante.
  • 3.7.                           A Organizadora se reserva o direito de desclassificar as inscrições que não preencham os requisitos previstos nos itens anteriores ou em qualquer outra disposição deste Regulamento, independentemente de qualquer comunicação prévia.
  • 3.8.                           Serão escolhidos os nomes mais criativos e adequados ao tema de NOME MAIS DEMOCRÁTICO, dentre todos as inscrições que atenderem integralmente ao disposto no presente Regulamento, por uma Comissão Julgadora composta por 3 (três) funcionários da Agência Transmídia, cuja decisão é soberana e irrecorrível, sendo utilizados na decisão critérios de criatividade, originalidade e vinculação ao tema proposto.
  • 3.9.                           Não caberá qualquer reclamação acerca da decisão da Comissão Julgadora, em hipótese alguma.
  • 3.10.                             Os nomes livremente apresentados à Organizadora do Presente Concurso Cultural serão propriedade intelectual do candidato, entretanto, fica desde já expressamente livre e pactuado que todos os direitos autorais patrimoniais serão transferidos, de forma gratuita, irretratável e irrevogável à Agência Transmídia, que, por sua vez, indicará a autoria ao Candidato vencedor em todas as formas de mídia ou modo em que sejam empregados, que poderá ser, dentre outras formas, utilizar, fruir, dispor, reproduzir, distribuir, explorar economicamente ou ceder a terceiros, livre e ilimitadamente, no território nacional ou fora dele e em qualquer mídia ou modo, existente ou que venha a ser criado, independentemente de outro ajuste com o AUTOR DO NOME,  e sem que este tenha direito a qualquer remuneração ou indenização.
  • .
  • 3.11.                       Os participantes do Concurso, incluindo os vencedores, assumem total e exclusiva responsabilidade a respeito de todas e quaisquer reivindicações de terceiros no tocante às respostas submetidas ao Concurso. Todos os participantes declaram que os conteúdos enviados são originais. Em caso de plágio, a Agência Transmídia não responderá por quaisquer prejuízos sofridos por terceiros, mas desclassificará do Concurso o participante responsável pela pratica ilícita.
  • DO PRÊMIO
  • 3.12.                       O vencedor receberá como prêmio versão impressa do roteiro do Audiodrama “Khaoz Crescente”, contendo artes exclusivas ilustrando tanto os momentos da história quanto também o processo criativo da identidade visual dos personagens ao longo dos anos. Além disso, poderá participar de vindouros audiodramas com um personagem exclusivo de aparição esporádica.

 

  • 4.                                 DA SELEÇÃO DO VENCEDOR
  • 4.1.                           A seleção e escolha do melhor nome será feita por uma banca de  3 (três) colaboradores da Agência Transmídia em até 07 dias após o prazo para inscrições, e a decisão soberana e irrecorrível será então anunciada por meio de publicações no site da Agência e em seus perfis de redes sociais.

 

  • 5.                                 DA ENTREGA DA PREMIAÇÃO
  • 5.1.                           O vencedor do concurso será contatado pelo e-mail cadastrado na seção de comentários e terá até 30 (trinta) dias para responder e informar o endereço para envio do prêmio descrito no item 4.1. Após esse prazo a Agência Transmídia se reserva o direito de reter o prêmio e fazer um sorteio entre todos os concorrentes, inexistindo para o contemplado, nessa hipótese, qualquer direito a ressarcimento ou indenização.
  • 5.2.                           O prêmio é livre e desembaraçado de quaisquer ônus para o contemplado.
  • 5.3.                           O prêmio não poderá ser trocado por outros, muito menos convertido em dinheiro, consoante a previsão do parágrafo 3º do artigo 1º da Lei n.º 5.768/71.

 

  • 6.                                 DISPOSIÇÕES FINAIS
  • 6.1.                           Em momento algum poderá a Realizadora ser responsabilizada por inscrições perdidas, atrasadas, enviadas erroneamente, incompletas, incorretas, inválidas ou imprecisas.
  • 6.2.                           A Agência Transmídia não será responsável por problemas, falhas ou funcionamento técnico, de qualquer tipo, em redes de computadores, servidores ou provedores, equipamentos de computadores, hardware ou software, ou erro, interrupção, defeito, atraso ou falha em operações ou transmissões para o correto processamento de inscrições, incluindo, mas não se limitando, a transmissão imprecisa de inscrições ou falha da Realizadora em recebê-las, em razão de problemas técnicos,  congestionamento na internet ou no site ligado ao Concurso, vírus, falha de programação (bugs) ou violação por terceiros (hackers).

 

ÁUDIO DRAMA “SENTINELAS” – 3ª TEMPORADA: METAMORFOSE AMBULANTE – EPISÓDIO 12, CAPÍTULO 28 – SEASON FINALE

SINOPSE DO CAPÍTULO

FIM DE TEMPORADA! Para conseguir a informação certa, temos de ir fundo nas pesquisas. Situações desesperadas estimulam medidas desesperadas! Sem máscaras para se disfarçar! Três patetas e uma caveira! O problema nunca é o outro, mas, sim, você… exceto se o outro é você! Os fins justificam os meios, ainda se forem ilícitos por um bem maior? E sempre leia antes de assinar!

DESCRIÇÃO DA VITRINE AO PÚBLICO DEFICIENTE VISUAL

Banner retangular deitado com conteúdo totalmente em preto e branco sólido. À esquerda sob fundo preto, imagem de meio corpo de uma mulher magra vestindo capacete branco de ciclismo, com viseira preta e a cabeça estilizada de um coelho no topo. Sob a viseira, olho e sorriso branco. Lateralmente, desce um rabo de cavalo escuro. Veste um collant preto com símbolo de cabeça branca de coelho, cujas orelhas descem pela manga da roupa. À extrema direita, busto de um homem vestindo uma máscara que cobre o rosto do topo da cabeça até o nariz. Seus olhos são pretos e seus dentes estão à mostra. Usa uma camiseta preta sob uma camisa também preta, com um bolso na altura do peito. Entre os dois, sob fundo preto, um círculo branco com uma caveira cinza estilizada no centro. Diante da caveira e restrito ao espaço da circunferência, um personagem com elementos de outros quatro, parodiando a imagem “Homem Vitruviano” – que se trata da imagem de um homem nu de pé, de frente para o espectador, com quatro braços e quatro tocando as margens de um grande círculo onde está contido. Um par de pernas está aberto num ângulo de 90° entre si e o outro par de pernas está junto, posicionado entre o par anterior. Os braços estão erguidos lateralmente ao corpo, só que um par está limitado à altura dos ombros e o outro par está erguido cerca de 45º mais acima. Vertendo para a nossa imagem, o personagem é Amphiboy, que tem cabelos pretos curtos e volumosos, usa máscara preta em forma de “8” deitado sobre os grandes olhos brancos. Ele está vestido com um collant preto com uma cabeça de sapo branca estilizada no peito. O braço direito mais erguido é o de manopla, cuja manga é preta com uma faixa branca indo do ombro até a luva articulada branca aberta; o braço direito mais baixo é de Lebre Rubra, com uma meia manga preta com uma pequena faixa branca do ombro até a bainha. A mão aberta veste luva de ciclismo preta; o braço esquerdo mais erguido é do Garra, com a longa manga preta do terno indo até a luva articulada branca de dedos finos; a mão esquerda mais baixa é a de Nervoso, com a manga preta do blusão dobrada até a altura do cotovelo. Na mão aberta, veste uma luva preta de dedos cortados. A perna direita mais aberta é a de Lebre Rubra, vestindo uma bermuda justa preta até o meio da coxa. Usa meias brancas na altura do meio da canela e tênis pretos com laterais salientes, estilizando orelhas de coelho. A perna direita mais ao centro é a de Manopla, que veste uma calça preta com botas brancas, tendo uma faixa branca subindo pela parte interna da perna; A perna esquerda mais erguida é a do Garra, que veste uma calça preta e sapato preto simples; e a perna esquerda mais ao centro é a de Nervoso, vestindo uma bermuda cargo preta até o joelho e um coturno preto desamarrado. Na parte superior esquerda do banner, em letras brancas, “Sentinelas – 3ª Temporada”; abaixo, “Episódio 12”; E no canto inferior esquerdo, “Capítulo 28”. No canto superior esquerdo, em letras brancas, “Em Sua Pele”; abaixo, selo branco da Agência TransMídia – que é um carimbo circular com as letras “T” e “M” maiúsculas ao centro; e no canto inferior esquerdo e em letras pretas, “Parte 3”.

“SENTINELAS” é uma comédia de ação em forma de áudio drama que satiriza estereótipos de super-heróis num cenário totalmente brasileiro. O nome foi escolhido pelo ouvinte Alexandre Santos Costa ao fim da primeira temporada – “Khaoz Crescente” – graças ao concurso cultural “O Nome do Time”.

A história foi escrita em 2005 e passou por diversas revisões até a presente versão em áudio. O público-alvo principal deste áudio drama é o público deficiente visual, que não possui uma representatividade expressiva no cenário de entretenimento impresso, sendo a eles negligenciadas áudio descrições de histórias em quadrinhos. O autor de “Sentinelas”Vitor Hugo Mota – identificou nesta fraca demanda a oportunidade de contemplar seus amigos deficientes visuais e, ao mesmo tempo, incentivar o uso da mídia podcast para outros fins além do papo trivial e informal de amenidades. O texto foi totalmente adaptado para ficar o mais descritível possível e dar a oportunidade de imersão para TODOS os públicos audíveis. E para tornar ainda mais efetivo, os efeitos de fundo utilizados ilustram sonoramente as ações efetuadas pelos personagens e o cenário ao redor. Neste trajeto, o público infantil foi uma inesperada surpresa, sendo escutado por jovens entre 08 e 13 anos.

Por se tratar de uma história satírica, recheada de situações absurdas e nonsense, “Sentinelas” se tornou uma história sem preconceitos, pois não trata uma cidade ou indivíduos melhor do que qualquer outro semelhante. Toda a narrativa enaltece e também faz piada com diversas cidades e estereótipos por onde passa.

CRÉDITOS DE PARTICIPAÇÃO

  • Roteiro, Direção, Narração e Produção Executiva: Vitor Hugo Mota
  • Locução: Leora Heller
  • Consultoria de áudiodescrição: Alexandre Santos Costa & Ana Gouvêa
  • Direção de Vozerio: Cristian Melo

ELENCO DESTE EPISÓDIO POR ORDEM DE APARIÇÃO

– Renato Bacon é o Amphiboy

Moreira Neto é o Manopla

– Evie Saide é a Lebre Rubra

– Arides Luna é o Segurança 1

– Márcio Neves é o Segurança 2

– Ana Paula Emídio é a Camareira

Alexandro Borba é o Nervoso

– Marcos Moreira é o Segurança 3

– Rafael Motta é o Segurança 4

– Nícolas Queirós é o Curador Brasileiro

– Diogo Braga é o Guarda de Bangu X

Caio Fernandes é Claudio Gedeão/Garra

– Marcos Paulo Sant’Anna é o Diretor de Bangu X

– Brunno Costa é o Detento

– Renato Arléo é o Arqueiro

– Vinnie Queiroga é Ananias Guinle

– Cristian Melo é Dr. Alberto Planck

– Gabriel Lima, Rafaela Campos, William de Oliveira, Giovani Martins, Letiane Duarte, Liipi Volpi e Cristian Melo são o Vozerio

IMAGEM DOS HERÓIS DO EPISÓDIO

(COM DESCRIÇÃO AO PÚBLICO DEFICIENTE VISUAL)

Imagem com o desenho de quatro personagens e créditos de seus talentos vocais. À esquerda, Amphiboy é um rapaz branco, atlético, de cabelos castanhos e curtos. Ele usa óculos de natação na cor laranja de lentes amarelas. Veste um collant de surfe preto com estampa de sapo estilizado, na cor laranja. O personagem, que tem um sorriso largo, está com os cabelos penteados para trás, com um volumoso topete se projetando para cima. Ele se encontra em um pulo para frente, com o tronco ereto, braço direito esticado para frente, assim como a perna esquerda, enquanto a perna direita está dobrada para baixo e braço esquerdo esticado para trás. Seus pés e mãos estão nus e encontram-se com os dedos separados e, entre cada um deles há membranas de pele, tal qual de sapos. Abaixo, foto de Renato Bacon creditado como a voz de Amphiboy; à esquerda dele, Lebre Rubra é uma mulher atlética, de pele branca e cabelos castanhos presos em duas longas marias-chiquinhas. Usa um capacete de ciclismo de velocidade vermelho com uma cabeça de coelho estilizada em carmim no topo. Este capacete tem uma viseira de vidro também avermelhado, através do qual é possível ver o contorno de seus olhos e sorriso. Ela veste um collant esportivo de ciclismo vermelho com decalques de cor carmim estilizando uma cabeça de coelho e suas orelhas longas. O collant tem mangas curtas e segue até metade das coxas. Usa luvas de dedos cortados na cor carmim e tênis vermelhos de solado escuro e línguas em forma de orelha de coelho. A personagem está correndo na direção do espectador, inclinando o tronco para frente, com o braço esquerdo projetado para frente, assim como a perna direita. Abaixo, foto de Evie Saide creditada como a voz de Lebre Rubra; ao seu lado, Nervoso é um homem atlético, branco e de lábios grossos. Ele usa uma máscara amarela que cobre a metade superior da cabeça, com buracos para os olhos e um nó na altura da nuca. Veste blusão verde escuro com as mangas dobradas até acima dos cotovelos, tendo dois bolsos na altura do peito. Usa uma bermuda cargo da mesma cor do blusão. Usa luvas pretas de dedos cortados e coturnos desamarrados na mesma cor. O personagem está saltando para a frente, dando um chute com a perna direita – erguida na altura da cintura e com o solado na direção do espectador – e se impulsionando com a esquerda, que está para trás. Seu braço direito está junto ao corpo, de punho fechado; o braço esquerdo está erguido acima dos ombros, com o punho fechado. Seu olho esquerdo está mais aberto que o direito e seus dentes estão rangendo. Acima, foto de Alexandro Borba creditado como a voz de Nervoso; o último personagem é Manopla, que é um homem magro, branco, de cabelos castanhos e curtos – porém volumosos no topete. Ele veste uma máscara azul em forma de Letra M maiúscula, realçando seus olhos azuis e boca de dentes rangendo. Veste um collant inteiriço preto com faixas azuis que cruzam seus braços através dos ombros e descendo pelo peito através das partes internas das pernas. Na mão direita esticada para frente, ele veste uma luva de metal enferrujado. Manopla se encontra voando em posição ereta, com o tronco inclinado para a esquerda, braço esquerdo erguido na altura dos ombros e voltado para trás, com punho fechado; o braço direito está esticado para frente, com a mão espalmada para baixo, de onde parte uma aura de energia azulada que envolve todo o seu corpo. Sua perna direita está esticada para baixo e a esquerda está erguida na altura da cintura, de joelho dobrado. Abaixo, foto de Moreira Neto creditado como a voz de Manopla.
Imagem com o desenho de quatro personagens e créditos de seus talentos vocais. À esquerda, Amphiboy é um rapaz branco, atlético, de cabelos castanhos e curtos. Ele usa óculos de natação na cor laranja de lentes amarelas. Veste um collant de surfe preto com estampa de sapo estilizado, na cor laranja. O personagem, que tem um sorriso largo, está com os cabelos penteados para trás, com um volumoso topete se projetando para cima. Ele se encontra em um pulo para frente, com o tronco ereto, braço direito esticado para frente, assim como a perna esquerda, enquanto a perna direita está dobrada para baixo e braço esquerdo esticado para trás. Seus pés e mãos estão nus e encontram-se com os dedos separados e, entre cada um deles há membranas de pele, tal qual de sapos. Abaixo, foto de Renato Bacon creditado como a voz de Amphiboy; à esquerda dele, Lebre Rubra é uma mulher atlética, de pele branca e cabelos castanhos presos em duas longas marias-chiquinhas. Usa um capacete de ciclismo de velocidade vermelho com uma cabeça de coelho estilizada em carmim no topo. Este capacete tem uma viseira de vidro também avermelhado, através do qual é possível ver o contorno de seus olhos e sorriso. Ela veste um collant esportivo de ciclismo vermelho com decalques de cor carmim estilizando uma cabeça de coelho e suas orelhas longas. O collant tem mangas curtas e segue até metade das coxas. Usa luvas de dedos cortados na cor carmim e tênis vermelhos de solado escuro e línguas em forma de orelha de coelho. A personagem está correndo na direção do espectador, inclinando o tronco para frente, com o braço esquerdo projetado para frente, assim como a perna direita. Abaixo, foto de Evie Saide creditada como a voz de Lebre Rubra; ao seu lado, Nervoso é um homem atlético, branco e de lábios grossos. Ele usa uma máscara amarela que cobre a metade superior da cabeça, com buracos para os olhos e um nó na altura da nuca. Veste blusão verde escuro com as mangas dobradas até acima dos cotovelos, tendo dois bolsos na altura do peito. Usa uma bermuda cargo da mesma cor do blusão. Usa luvas pretas de dedos cortados e coturnos desamarrados na mesma cor. O personagem está saltando para a frente, dando um chute com a perna direita – erguida na altura da cintura e com o solado na direção do espectador – e se impulsionando com a esquerda, que está para trás. Seu braço direito está junto ao corpo, de punho fechado; o braço esquerdo está erguido acima dos ombros, com o punho fechado. Seu olho esquerdo está mais aberto que o direito e seus dentes estão rangendo. Acima, foto de Alexandro Borba creditado como a voz de Nervoso; o último personagem é Manopla, que é um homem magro, branco, de cabelos castanhos e curtos – porém volumosos no topete. Ele veste uma máscara azul em forma de Letra M maiúscula, realçando seus olhos azuis e boca de dentes rangendo. Veste um collant inteiriço preto com faixas azuis que cruzam seus braços através dos ombros e descendo pelo peito através das partes internas das pernas. Na mão direita esticada para frente, ele veste uma luva de metal enferrujado. Manopla se encontra voando em posição ereta, com o tronco inclinado para a esquerda, braço esquerdo erguido na altura dos ombros e voltado para trás, com punho fechado; o braço direito está esticado para frente, com a mão espalmada para baixo, de onde parte uma aura de energia azulada que envolve todo o seu corpo. Sua perna direita está esticada para baixo e a esquerda está erguida na altura da cintura, de joelho dobrado. Abaixo, foto de Moreira Neto creditado como a voz de Manopla.
Sob tela branca, imagem com um personagem e seu talento vocal. Ele é mostrado dividido em duas metades verticais. A metade esquerda representa a porção civil Cláudio Gedeão. A metade direita representa a porção vilanesca Garra. A porção civil veste terno cinza chumbo, com colete social da mesma cor. Camisa social azul turquesa e gravata vermelha, além de cinto e sapatos de couro preto. Claudio Gedeão é um homem de meia idade, branco, de olhos castanhos, cabelos grisalhos e volumosos, penteados para trás. O seu sorriso largo é realçado por um bigode grisalho grosso. A porção vilanesca dele veste máscara inteiriça preta, de olhos vermelhos e um sorriso branco largo. Usa terno e colete social preto, com camisa social cinza chumbo, além de gravata e lenço de bolso vermelhos. Na mão, usa uma manopla de metal prateada de longos dedos finos e articulados, espalmados para cima. O personagem encontra-se em posição única, caminhando na direção do espectador, com o pé direito a frente e esquerdo para trás, tronco inclinado para a esquerda e braço esquerdo esticado para frente, enquanto o braço direito está junto ao tronco e com a mão aberta. À esquerda, foto de Caio Fernandes, creditado como a voz de Claudio Gedeão & Garra.
Sobre tela branca, imagem com um personagem e seu talento vocal. Ele é mostrado dividido em duas metades verticais. A metade esquerda representa a porção civil Cláudio Gedeão. A metade direita representa a porção vilanesca Garra. A porção civil veste terno cinza chumbo, com colete social da mesma cor. Camisa social azul turquesa e gravata vermelha, além de cinto e sapatos de couro preto. Claudio Gedeão é um homem de meia idade, branco, de olhos castanhos, cabelos grisalhos e volumosos, penteados para trás. O seu sorriso largo é realçado por um bigode grisalho grosso. A porção vilanesca dele veste máscara inteiriça preta, de olhos vermelhos e um sorriso branco largo. Usa terno e colete social preto, com camisa social cinza chumbo, além de gravata e lenço de bolso vermelhos. Na mão, usa uma manopla de metal prateada de longos dedos finos e articulados, espalmados para cima. O personagem encontra-se em posição única, caminhando na direção do espectador, com o pé direito a frente e esquerdo para trás, tronco inclinado para a esquerda e braço esquerdo esticado para frente, enquanto o braço direito está junto ao tronco e com a mão aberta. À esquerda, foto de Caio Fernandes, creditado como a voz de Claudio Gedeão & Garra.

TRILHA SONORA DO EPISÓDIO

  1. Party Rock Anthem, de LMFAO
  2. First Mission, de Christophe Beck
  3. Supermen, de Steven Jablonsky
  4. The Heist, de Danny Elfman
  5. Complication with Optimistic Out, de Trent Reznor & Atticus Ross
  6. Watership Down, de Junkie XL
  7. Attack on 10880 Malibu Point, de Brian Tyler
  8. Tubthumping, de Chumbawumba
  9. Rage & Serenity, de Henry Jackman
  10. Definitely Guys, de Steven Jablonsky
  11. Fogwell’s Gym, de John Paesano
 “Sentinelas” são propriedade intelectual da ProZe Consultoria Criativa. A produção deste áudiodrama não tem fins lucrativos e contou com voluntariado de todas as vozes envolvidas. Todos os direitos reservados a Vitor Hugo Mota.
  • Claus Tessmann

    Agora estou esperando um especial de natal de 2h do Sentinelas ahahahahahaha

    Não foi um final de temporada muito impressionante se comparado com a da temporada anterior, mas ainda melhor executado que o final da primeira temporada. Como parte final de um episódio foi muito bom. Solução fácil, mas divertida.

    Não dá para acreditar que o Manopla é tão ingenuo. Gostei da manopla do Manopla ter opinião própria e de termos aprendido um pouco mais sobre a origem dela. O Amphiboy deu uma de esperto nesse episódio para contrariar todas as aparições anteriores dele. Gostei dele ter verificado os logs do computador. Gostei da Lebre tomar relaxante muscular para o dia-a-dia, deve ser foda ser super rápida e manter as aparências, ainda mais sendo aluna de faculdade. Coitado do Primo…

    Amei o pós-crédito de novo. Muitas conexões entre os heróis sendo feitas. O audio estava estranho, mas logo abstrai. Curti o pós-pós-crédito, foi um ótimo encerramento. Fiquei curioso com o médico que apareceu. Problema imune? HIV?

    • Olá, Claus. Finalmente chegamos ao último capítulo da temporada – e dos nossos diálogos de comentários (já que raramente mais alguém vinha aqui dar impressões). E fico feliz por esta conclusão de aventura ter sido satisfatória a você. Na verdade, a conclusão da segunda temporada foi um pouco mais “surpreendente” porque a última história foi uma coletânea de suposições que em dado momento nos deu respostas que tínhamos de aceitar e, no primeiro pós-créditos, todas as respostas são chacoalhadas e misturadas. No caso da terceira temporada, a conclusão de cada aventura é bastante pontual em cada episódio, mas a grande aventura se desenhou pelos seus pós-créditos, sendo cliffhangers para eventos ainda maiores. Ou seja, uma temporada manipulada pelos eventos isolados e vivida inconscientemente pelo seu elenco. Méritos de Claudio Gedeão (que eu espero ter tido um destino melhor do que o que você temia acontecer com o personagem. Ele é bom demais para ter um final ligado a uma queda de um grande edifício). Soluções não precisam ser mega difíceis. Na verdade, se você vê vários filmes e séries por aí, elas podem ser intensas e de solução simples, mas os personagens é que dificultam.

      Não é que o Manopla seja um sujeito ingênuo. Sabe quando você não consegue acreditar que tenhas algo ruim/impuro dentro de si e se comporta de um jeito para acreditar que você pode ser uma pessoa melhor? O manopla é um sujeito tolido de seus desejos e natureza porque vem de uma criação muito nobre e – por vezes – ingênua. Ele se identifica muito com o Gedeão – e até o admira, sejamos francos – e tenta de alguma forma ser mais parecido com ele (nem que para isso ele tente forçar o Gedeão a se parecer com ele próprio: Moisés). Mas, no fim, o que somos nos define e não importa o quanto a casca seja sólida: se o que você é por dentro está em conflito, não há fortaleza que o segure (ou Shamash que lhe contenha com lições moralistas).

      Sobre o Amphiboy: ele é um personagem que aos poucos crescerá junto com o público. Teremos nele aquela criança que vemos amadurecendo ao longo do tempo e depois dizemos “Caramba, quando te conheci, você era desce tamanho, pequenininho, mirrado, fraco… Olha como você está hoje…” De um simples alívio cômico – que ainda assim derrubou sozinho uma cópia do Khaoz – ele vai se tornar um membro não apenas essencial para a equipe como também um sujeito cuja representatividade tupiniquim vai ser muito forte, louvável. Um cidadão que se compadece com a morte de um bandido que muitos preferem apontar o dedo e dizer que merecia morrer. Um garoto que não é um imbecil full time, que faz as suas próprias investigações (e que o “CSI” seja louvado! rs).

      Sobre Lebre Rubra: eis aí uma personagem que está em constante ponderação sobre suas ações heroicas e cívicas, pois seus poderes lhe fazem quase que uma funcionária do tempo, que pode fazer o que quiser praticamente no tempo que quiser, mas tendo de lidar com as consequências metabólicas do uso de seus poderes e encarar as questões morais que a supervelocidade lhe impõe numa sociedade como a nossa. For que é uma personagem com a cabeça bastante aberta, um espírito livre, que não se pega a pequenezas que muitas outras mulheres se pegariam, ainda que tenha grandes responsabilidades para com seus entes queridos e amigos.

      Sobre o Primo: Tá pra nascer um cara tão paciente quanto esse cidadão. Maldita hora que o Capitão Falcão foi cobrar um favor dele. Família é isso aí… Mas, se serve de consolo, o Moisés se sente parcialmente responsável pelo teto solar aberto por Gedeão e fará com que o vilão cubra os custos de reforma. Afinal, é bem mais fácil para o Manopla exigir que o seu arqui-inimigo pague por isso, né? Mi grana, su grana…

      Sobre os pós-créditos, começando pelo primeiro: Arqueiro e Ananias já tinham a sua parceria pincelada desde a aparição do Gedeão ao fim da parte 3 de “A Duras Penas”. Dois grandes amigos, de inteligência inquestionável e que empodera os grandes intelectos que temos no nordeste do Brasil – mas que acabam sendo diminuídos por conta de piadas bestas serem preteridas ao seu brilhantismo. E vemos também não apenas que o Ananias foi mais astuto que o Gedeão, mas também que o Manopla – no evento deste pós-créditos – já está mexendo os cordões do Grupo Gedeão (a diferença é que ele é pouco mais discreto que o espalhafatoso Claudio). Quanto ao segundo pós-créditos (fora a ligação direta com “O Príncipe do Egito”, onde notoriamente temos um príncipe Ramsés se irando com seu “irmão” Moisés que lhe tomou tudo que tinha, tudo ligado ao judaísmo de ambos), somos apresentados a uma série de movimentos que já estavam sendo pincelados de antes por Claudio Gedeão. O Dr. Alberto Planck é um personagem que não apenas tem uma relação de longa data com Gedeão, mas também é muito importante na vida de um dos nossos heróis e que, em breve, será explicitada. Em relação à doença auto imune do distinto médico, lembre-se do que eu lhe disse algumas vezes: eu trabalho a representatividade nas obras relacionadas aos Sentinelas. Não posso ser negligente em relação a cenários de alta expressão no nosso país.

      Mais uma vez, Claus, Obrigado por tudo. E não suma.

      • Rodrigo Mokepon

        Algo que eu gosto em sentinelas é a naturalidade das falas. Tirando o Homem-Aranha e Super Choque, todos heróis são meio fora de nossa realidade, com papo seco. Os sentinelas parecem …gente mesmo.Além das situações hilarias, que podiam aproximar a história ao humor dos trapalhões, mas acabam nos aproximando mais da história.

        • Fico imensamente grato pelo seu comentário, Rodrigo. E a ideia é que os heróis de “Sentinelas” – e alguns vilões também – sejam críveis enquanto pessoas, como alguém que pode estar ao seu lado neste momento. Alguém com quem você se identifique fácil (tirando o Capitão Falcão. Ele é uma paródia).

          Abraço!