AGÊNCIA TRANSMÍDIA # 35 A – JAMBOCKS, O FILME

“Hoje – 07:10hs

Bom dia , pessoal. Não vamos nos aprofundar no assunto referente à nossa falta de procura por parte da clientela. O Brasil inteiro sofre de uma crise que impacta todas as categorias. Então, ao surgir alguém interessado nos nossos serviços, devemos abraçar a oportunidade e voar alto. por falar em voar, hoje recebemos o briefing da ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA AVIAÇÃO, que desejam nossa consultoria sobre um LONGA METRAGEM tendo como base a HQ inspirada em fatos reais JAMBOCKS, de Celso Menezes e Felipe Massafera. Desta forma, espero que os senhores compareçam a esta convocação na Sala de Reuniões A e dêem asas à imaginação!

Att

Dr. Jonas

CEO – Agência TransMidia

Cliente:

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA AVIAÇÃO

Equipe:

Vitor Hugo Mota – Deptº de Criação

Gabriel Toledano – Deptº de Fontes e Pesquisa

Moreira Neto – Deptº de Planejamento

Peça:

Jambocks, O Filme

Veículo de Mídia:

Longa Metragem

PÔSTER ALTERNATIVO:

A Agência TransMidia é um exercício criativo. Trata-se de uma simulação de ambiente de trabalho onde nossos participantes são podcasters interpretando suas versões de cliente/consultores de mídia. Não há contato direto com nenhuma das empresas citadas. Todos os direitos reservados a MENEZES/MASSAFERA & ZARABATANA BOOKS. Divirta-se.
  • Claus Tessmann

    Muito bom. Gostei do episódio. Só tem um defeito: achei meio curto. Acho que esse é o preço que se paga por qualidade.

    • Olá, Claus. O pacote padrão da Agência TransMídia preza por um tempo que fique abaixo dos 60 minutos – justamente para simular o tempo que uma sala de reuniões é agendada para deliberação de briefings e meetings. Claro que assim como alguns passam dessa linha, outros ficam acima. Mas com a consciência tranquila que apenas as informações realmente relevantes foram levadas ao público, sem muito enrolação (ou nenhuma, no caso).

      A nossa parte B vai inaugurar uma forma diferenciada de se abordar a deliberação do briefing: ao invés de trazermos todo o roteiro sugerido e escalação de equipe técnica para apreciação do cliente, decidimos deixar de ser apenas leitores de história e possibilidades e nos tornamos integradores do cliente no produto que ele encomendou, focando no que agrada a ele, e não os nossos geradores de conteúdo. O cliente deixa de ser um indivíduo passivo, com poucas participações e inserções, para começar uma participação ativa e decisiva. Aguarde a Parte B em 15 dias.

      Obrigado pelo comentário.

  • Allan Silva

    Muito boa a proposta.
    Aguardo ansioso a entrega do projeto.